windbyinternet portugues ingles frances espanhol alemao O Portal da Construção | O Portal Saúde | O Portal de Turismo | O Portal de Negócios | Luxos Online | Shopping Online | Shopping Lisboa | EasyPro

packs lojas Notícias

QUAL A LOJA VIRTUAL INDICADA PARA O MEU NEGÓCIO - SERÁ O SEU PREÇO O FUNDAMENTAL

2017-06-18
Capítulo 2 (1ª parte - “Funcionalidades” da Loja Virtual)

A oferta de lojas virtuais ao dispor do empreendedor é bastante vasta, sendo que nem todas as opções disponíveis no mercado podem ser as mais indicadas para cada caso concreto. Ao iniciar a sua escolha o empreendedor deve atender a três premissas, e pela ordem que passo a enumerar: Funcionalidades; Segurança; e Preço. Sendo que quando se invertem a ordem das três premissas, e se coloca o factor “Preço” em primeiro lugar o que resulta é a escolha de uma loja virtual desadequada ao empreendedor e às circunstâncias concretas do seu negócio, hipotecando a perspectiva de sucesso no comércio online.

Se é verdade que o factor preço é uma premissa importante no mundo dos negócios, no entanto o preço só deve ser comparável entre dois bens similares, e para duas lojas virtuais serem similares temos de primeiro atender às funcionalidades que ambas oferecem, assim como às questões de segurança disponibilizadas.

Ao escolher a sua loja virtual, você está escolhendo a “base” do seu negócio online, onde vão estar interligadas todas as suas ferramentas de comunicação digital, numa óptica de “comunicação digital integrada”, revelando-se ser fundamental considerar e observar diversos aspectos essenciais.

É preciso não esquecer que cada negócio e cada empreendedor é um caso concreto, com a sua própria identidade. Assim como existem diversos níveis de produtos e serviços que devem ser apresentados diferentemente, também existem diversos níveis de empreendedores com maior ou menor formação de comunicação digital, que carecem de apoios distintos para colocar em funcionamento o seu comércio digital. Portanto uma determinada loja virtual, que poderá ser uma boa escolha para um empreendedor, pode não ser a melhor escolha para outro empreendedor, basicamente porque as funcionalidades da loja virtual se revelam desajustadas.

Factor “Funcionalidades” da Loja Virtual

O factor das funcionalidades da loja virtual deverá ser o primeiro filtro que o empreendedor deve utilizar no processo de escolha da sua loja virtual, evitando adquirir algo desadequado ou que não tenha condições para utilizar. As funcionalidades que o empreendedor deve observar não se devem reduzir às características visíveis da loja virtual, como por exemplo o seu design e campos disponíveis, mas essencialmente deve atender às funcionalidades não visíveis no imediato, como por exemplo a assistência na sua utilização e operacionalidade.

- Requisitos legais do e-commerce - Esta deve ser a primeira funcionalidade à qual o empreendedor deve atender na hora de escolher a sua loja virtual. Verificar se existem campos destinados a colocar todas as “Informações e trâmites obrigatórios” acerca do seu negócio assim como dos bens que vai transaccionar online. Concluindo: elimine das suas opções de escolha as lojas virtuais onde não for possível cumprir com toda a legalidade exigida, não facilite, as multas são pesadas, e existem muitas opções legais a bom preço.

- A colocação online da Loja Virtual - Pode parecer irrelevante, e até pensar que por parecer fácil não precisará de ninguém para o ajudar, no entanto é relevante na demonstração do apoio que terá quando algo correr mal… E acredite, alguma dificuldade vai sempre suceder, é como por exemplo quando se troca de telemóvel, o óbvio e fácil nas operações de rotina no início trazem por vezes grandes complicações. Concluindo: evite contratar lojas virtuais onde seja da sua responsabilidade a colocação online da plataforma.

- Indexação da loja Virtual a motores de busca - Indexar ou submeter a nova loja virtual aos principais motores de busca é fundamental para que a sua loja online possa fazer parte dos resultados nas “listagens orgânicas” (gratuitas) dos motores de busca. O facto de não ser feita esta submissão da nova loja aos motores de busca faz com que ela demore muito mais tempo a ser reconhecida, com prejuízo claro no resultado final pretendido, que é ser encontrado e efectuar vendas online, ou como consequência obrigando o empreendedor a socorrer-se das ”listagens pagas ao click” (anúncios-adwords) investindo centenas de euros mensais. Esta é uma das principais razões de existência das “lojas virtuais gratuitas”, ou seja, são gratuitas na adesão, mas são pagas para aparecerem nos motores de busca, pois carecem de apoio técnico e só aparecem nos motores de busca através de campanhas de anúncios-adwords, que são pagos ao click. Concluindo: a indexação é indispensável e aconselhável ser feita por um webmaster, portanto rejeite ofertas de lojas online que não contemplem este serviço personalizado.

- SEO - Otimização básica - O serviço de “otimização de resultados” para motores de busca pode ser considerado um serviço complementar à “indexação”, pois se a indexação vai fazer os motores de busca reconhecerem a existência de determinada loja virtual, a “otimização” vai fazer os motores de busca aceitarem a credibilidade dessa mesma loja virtual para termos importantes nas pesquisas online, passando a referida loja virtual a aparecer nos primeiros lugares das listagens de resultados orgânicos (sem pagamento de clicks). Um exemplo de otimização é determinado restaurante que confecciona pizzas em Lisboa, ser encontrado por “pizzarias lisboa” . Este é um serviço que também carece da intervenção de um experiente webmaster, e é sem dúvida a melhor opção para o empreendedor que pretende ser bem sucedido no comércio online. Concluindo: se ambiciona ter sucesso nas vendas online, rejeite ofertas que não contemplem a possibilidade de contratar este serviço adicional.

- Assistência e manutenção - Este serviço é fundamental para que você só tenha de se preocupar com aquilo em que você é “realmente bom”, o seu negócio. O “tempo” em que o ser humano tinha de saber fazer tudo para sobreviver já passou, vivemos na “era da especialização”, e o empreendedor sabe que sai mais económico contratar especialistas, do que entregar os assuntos a curiosos. Se quando compramos um electrodoméstico ou um automóvel a principal preocupação é a assistência técnica, porque razão não deve ser esta também a grande preocupação quando escolhemos a principal “base do nosso comércio online”. Concluindo: o serviço de assistência e manutenção é essencial, rejeite liminarmente ofertas que o querem convencer de que você o fará tão bem como um especialista.

- Utilização do Backoffice - O “backoffice” vai ser a sua ferramenta diária de inserção de produtos e informação, por isso ele terá de ser intuitivo e de fácil utilização. O “backoffice” de controle e edição de conteúdos da loja virtual não pode ser uma “consola de programação” de funcionalidades da loja virtual, com linguagens e opções “destinadas a experts” da comunicação digital e do e-commerce . Concluindo: rejeite ofertas de lojas virtuais onde o backoffice mais parece uma ferramenta de programação para webmasters, pois só revela que ninguém o vai apoiar e você vai estar sozinho por sua conta e risco.

- Google Analytics - Esta é a ferramenta ideal para o empreendedor poder saber como se comporta o seu negócio online, quem visita a sua loja, de onde são os visitantes da sua loja, quando visitam a sua loja, quando voltaram a visitar a sua loja, e o que procuram. É fundamental analisar qualitativamente o tráfego da loja online, se é verdade que é bom ter uma loja online com bastante tráfego, melhor mesmo é que faça muitas vendas. Nem sempre o muito tráfego significa muito negócio, e com o Google Analytics podemos verificar quase tudo o que se passa na sua loja virtual, nomeadamente onde ocorrem maiores entradas na loja, e onde se verificam as maiores saídas (taxa de rejeições). Com base nas diversas análises que se podem retirar desta ferramenta, o empreendedor poderá por exemplo corrigir os produtos a colocar na sua loja virtual, se a sua loja virtual é uma óptica, e tem 200 armações de óculos e 10 óculos de sol, e das entradas na loja virtual 60% procuram óculos de sol, será fácil concluir que o empreendedor deverá aumentar a oferta de óculos de sol na sua loja virtual.

- Tradução automática para as principais línguas - O comércio online é global, e a mobilidade das pessoas cada vez maior, hoje em dia é vulgar mesmo numa pequena cidade haver uma população significativa oriunda de diversos países e falando diversas idiomas, portanto é fundamental que a loja virtual do empreendedor esteja preparada para fazer a tradução automática para os principais idiomas, evitando desta forma que o empreendedor tenha de saber escrever correctamente todos os idiomas

- Personalização da loja Virtual - A loja virtual pretende-se que seja a “extensão online” do negócio do empreendedor, portanto terá de haver uma associação e transmissão clara da sua imagem de marca. É preciso não esquecer que um dos “grandes segredos do sucesso nas vendas online” é justamente o “Omnicanal”, portanto o empreendedor terá de se assegurar que quem os visitantes da loja virtual, quer sejam clientes habituais do seu negócio offline, ou clientes exclusivos do seu negócio online, facilmente identificam o seu negócio.

- Número de categorias, subcategorias, e produtos - Nem sempre uma loja com muitos produtos significa muitas vendas, o empreendedor ao escolher a sua loja virtual deverá fazer o exercício de pensar quantos, e quais os produtos que deve iniciar no seu comércio online. O fundamental será contratar uma loja virtual que lhe confere a possibilidade de ser ampliada à medida das suas necessidades.

- Conteúdos que se pode adicionar - banners, vídeos, descrição empresa - Quando se fala de uma loja virtual não podemos pensar só nos “espaços onde se colocam os produtos”, o empreendedor ao escolher a sua loja virtual deve ter em atenção que é fundamental ter uma página devidamente identificada sobre a sua empresa, outra página de fácil acesso com todos os seus contactos, e ainda outra página independente com os termos e condições, assim como espaços centrais destinados a colocar banners publicitários e campanhas, e espaço para colocar vídeos.

- Links e partilhas para as outras ferramentas de comunicação digital - Sendo a loja virtual a “base” do seu negócio online, todas as suas ferramentas de comunicação digital devem estar interligadas, numa óptica de “comunicação digital integrada”. Deve portanto o empreendedor no momento da escolha da loja virtual optar por soluções que lhe facilite a integração e partilha da loja com as restantes ferramentas de comunicação digital.

Publicação do próximo artigo: 25 de Junho de 2017
" Capítulo 2 (2ª parte - Segurança e Preço da Loja Virtual)
Qual a Loja Virtual indicada para o seu negócio"

Fonte:
Departamento de Investigação de Tecnologias de Comunicação Digital da Windbyinternet - Comunicação e Publicidade Digital lda

Consulte-nos em http://www.windbyinternet.pt/
Envie suas duvidas para: marketing@windbyinternet.pt
ou siga o curso em : https://www.facebook.com/shoppingonline.pt/

Portugal Digital. Apenas 39% das empresas estão online
Apenas 27% das empresas nacionais efetuam negócios online, com 54% das grandes empresas já dedicadas ao e-commerce. Apenas 39% das empresas portuguesas têm presença online,...

Pagamentos mobile começam a “roubar” adeptos de cartões de crédito e débito
De acordo com o relatório “Economia da Informação 2017”, divulgado pela ONU na última segunda-feira (02), métodos de pagamento digitais alternativos — tais como...

CTT promove oferta para e-commerce com nova campanha
Os CTT colocaram no ar uma nova campanha publicitária que pretende promover a sua oferta para e-commerce. Sob o conceito ‘Homem Encomenda’ , a nova campanha pretende...

Toysrus pede insolvência - Resultando do facto de não ter apostado em vendas online
A Toys "R" Us, a gigante do retalho, que durante anos tem feito as delícias dos mais pequenos, entregou um pedido de insolvência, na sequência de uma dívida esmagadora de um...

Portugal está determinado a tributar compras online
Portugal junta-se a um grupo de Estados-membros da União Europeia que quer tributar já a economia digital. O país "estará muito ativo nestes trabalhos", garante o Governo,...

Há cada vez mais portugueses a pensar comprar material escolar online
Há (muitos) mais portugueses a ponderar recorrer ao comércio online para comprar material escolar. O estudo Observador Cetelem Regresso às Aulas 2017 revelou que o número de...

Wal-Mart, o maior retalhista do mundo, vai associar-se em Setembro à Google para entrar em força no comércio eletrónico
1 PORQUE HÁ ALIANÇAS NO COMÉRCIO ONLINE? Esta parceria entre Wal-Mart e a Google é uma resposta à Amazon, cujo negócio de comércio eletrónico está a tornar-se uma...

A Loja Virtual
ONDE VENDER NA INTERNET - QUE FERRAMENTAS UTILIZAR Capítulo 1 (5ª parte) "Loja Virtual" Quando o empreendedor equaciona expandir o seu negócio ao comércio digital...

Plataformas de vendas online universais - Os Marketplaces
ONDE VENDER NA INTERNET - QUE FERRAMENTAS UTILIZAR Capítulo 1 (4ª parte) Plataformas de vendas online universais - Os Marketplaces As Plataformas de vendas online...

O PAPEL DOS DIRECTÓRIOS ONLINE NA SEGMENTAÇÃO DO MERCADO
ONDE VENDER NA INTERNET - QUE FERRAMENTAS UTILIZAR Capítulo 1 (3ª parte) 3- Os Directórios Online Os Directórios Online são regra geral “Portais” que...

Partilhe esta página  

close Estamos a usar cookies para lhe dar a melhor experiência em nosso site. Ao continuar a utilizar o nosso website concorda com a nossa utilização de cookies.
Para mais informações leia a nossa Politica de Privacidade

top