windbyinternet portugues ingles frances espanhol alemao O Portal da Construção | O Portal Saúde | O Portal de Turismo | O Portal de Negócios | Luxos Online | Shopping Online | Shopping Lisboa | EasyPro

packs lojas Notícias

O que falta ao comércio eletrónico em Portugal?

2020-02-07
Os anos 2000 foram marcados pela difusão da internet e, posteriormente, pelo desenvolvimento de negócios na área do e-commerce e venda de produtos físicos online. Portugal, por sua vez, viu nascer vários projetos aventureiros e inovadores, capazes de triunfar no mundo digital. Contudo, a lenta expansão da Internet até às casas dos portugueses no início do milénio impediu que estes negócios experienciassem um crescimento a grande escala.

Segundo a Eurostat, em 2002, apenas 3% dos portugueses realizavam compras online, contra uma média de 13% na União Europeia. As frequentes ruturas de stock, os tempos imprevisíveis de entrega, e consequente insatisfação dos consumidores, levaram a que as empresas portuguesas considerassem o investimento no online acessório e a que o core dos seus negócios se mantivesse no espaço físico.

No meu entender, se por um lado a falta de investimento no e-commerce reduz a qualidade da experiência dos consumidores, a excelente infraestrutura de espaços comerciais que estão abertos sete dias por semana em horário alargado funciona quase como concorrência direta dos negócios online. Para os portugueses, continua a ser mais conveniente dirigirem-se a uma superfície comercial após o jantar ao invés de realizarem uma compra online, aguardarem a sua receção e ainda perderem horas de trabalho em filas de espera nos estabelecimentos postais que funcionam apenas em horário laboral.

A discrepância entre a realidade europeia e portuguesa continua até aos dias de hoje: em 2019, 53% dos europeus fizeram compras online, em Portugal, apenas 28% dos portugueses utilizaram a internet para adquirir um produto.

Nos últimos anos, os gigantes do comércio tradicional em Portugal repensaram as suas estratégias online, desenvolvendo e empenhando-se nas plataformas de comércio eletrónico. Contudo, a meu ver, nenhum deu o grande passo, o passo essencial: encarar o mercado online como negócio principal e utilizar os espaços físicos apenas como um suporte a esse mercado.

Penso que esta falha de visão por parte das grandes empresas de comércio portuguesas permite a abertura de um espaço no mercado online que acaba por ser preenchido pelos grandes players. A isto, junta-se o custo do consumo de dados móveis em Portugal: este é elevado quando comparado com outros mercados europeus ou mesmo com outras economias emergentes. Os pacotes de dados são vendidos e oferecidos, muitas vezes, de forma a beneficiar apenas plataformas com grande presença internacional como o Google, o Facebook, a Apple ou a Netflix. Consequentemente, os hábitos dos utilizadores moldam-se à comodidade do e-commerce em apps e sites que são acedidos através de um smartphone, deixando de parte as plataformas nacionais que não estão otimizadas para smartphones nem incluídas em pacotes gratuitos de dados.

Noutras áreas de negócios, como é o caso do alojamento local e dos serviços adjacentes necessários à exploração do mesmo, a internet funcionou – e continuará a funcionar – como uma oportunidade de ver crescer os seus negócios à distância de um clique. O mesmo acontece com empresas especializadas em produtos de nicho que encararam a Europa como um mercado a conquistar, ou mesmo as plataformas de contratação de serviços online, que permitem os profissionais liberais expandir a sua carteira de clientes e área de atuação.

Considero que a Internet não é demasiado pequena em Portugal, mas que é necessária uma mudança radical por parte das empresas portuguesas na forma como encaram o online. É necessário um investimento sério a médio prazo, a consolidação dos negócios no mundo digital, uma reestruturação da forma de pensar o e-commerce português. Caso contrário, muito em breve, players como a Amazon iniciarão as suas operações em Portugal, dum dia para o outro, colocando os seus centros de expedição em Espanha, prontos para servir o nosso país e moldando, definitivamente, o panorama do comércio eletrónico nacional a favor do consumidor final, fechando a porta do digital ao comércio português.

Fonte: https://visao.sapo.pt/exameinformatica/opiniao-ei/2020-01-29-o-que-falta-ao-comercio-eletronico-em-portugal/

COVID-19 - Pacote de medidas de 18 de março 2020
No seguimento da aprovação das medidas aprovadas pelo Governo da Republica Portuguesa, passamos a expor a comunicação da AIP-Associação Industrial Portuguesa / CCI -Câmara...

Apenas um terço das lojas online cumpre normas europeias de defesa do consumidor
A Comissão Europeia e as autoridades de proteção do consumidor alertam comerciantes para se ajustarem à lei da UE. Bruxelas publicou os resultados de uma sondagem feita a...

AKI com os melhores números de sempre nas vendas através da internet
Julho foi o mês mais forte de sempre do AKI nas encomendas online, com os números a subirem 168% face ao mesmo período do ano passado e as visitas a crescerem 50%. Em valor...

O Comércio tradicional está a transformar-se
O comércio tradicional está a transformar-se com o aparecimento do comércio online, que obrigam as lojas físicas a esforçar-se para atrair os clientes e modernizar-se. Em...

96% dos compradores online tencionam continuar a fazer compras através destas plataformas
Um em cada quatro portugueses vai gastar mais em compras online. A tendência é a de que os consumidores continuem a fazer mais compras através dos canais digitais. O Estudo...

Confiança e comodidade levam os portugueses a aderir ao e-commerce
Confiança e comodidade são os fatores que os portugueses consideram fundamentais para aderir ao e-commerce. De acordo com um estudo publicado pela Levelsource, e que inquiriu...

COMPRAS ONLINE MAIS FÁCEIS, JÁ NÃO EXISTEM FRONTEIRAS NA UNIÃO EUROPEIA
O PARLAMENTO EUROPEU ANUNCIOU O FIM DO BLOQUEIO GEOGRÁFICO, QUE PERMITIRÁ UM COMÉRCIO MAIS LIVRE E ABERTO EM TODA A UNIÃO EUROPEIA. LIVROS, MÚSICA E JOGOS DE FORA. Muitos...

E-commerce. Cada vez mais compras online e com tendência para subir
Com cada vez mais pessoas a utilizarem a Internet e a fazerem compras online, o comércio eletrónico está num momento de viragem potenciado pela combinação entre o social e o...

Brasil e Portugal assinam acordo para ampliar e-commerce entre países
Parceria deve diminuir tempo médio para entrega de encomendas registradas de 40 dias úteis para 12 dias após liberação pela Alfândega. Brasil e Portugal assinaram nesta...

Metade das compras 'online' nacionais são feitas em retalhistas que operam em Portugal
Metade das compras na Internet feitas em Portugal é realizada em retalhistas que operam no mercado português e um quinto em entidades que operam na Europa, de acordo com um...

close Estamos a usar cookies para lhe dar a melhor experiência em nosso site. Ao continuar a utilizar o nosso website concorda com a nossa utilização de cookies.
Para mais informações leia a nossa Politica de Privacidade

top